• Grupo de Educação Multimídia

As Cidades Invisíveis - UFRJMar

Atualizado: Jun 3


A imagem é um registro do Festival UFRJMar do ano 2018 realizado na escola CEMBRA em Paraty. Os alunos estão prestando atenção a explicação sobre a oficina que é feita com a obra de Ítalo Calvino chamada Cidades Invisíveis.

  A oficina de audiovisual faz parte do projeto Literatura e Cinema que tem como objetivo a formação de leitores críticos a partir do trabalho como processo educativo. O estudo se dá pela parceria entre o GEM (Grupo de Educação Multimidia) com o laboratório PACC (Pesquisa Avançada de Cultura Contemporânea).

   O argumento do estudo é utilizar a obra de Ítalo Calvino com o filminuto com a finalidade de estudar a tradução intersemiótica, a passagem da linguagem literária para a linguagem do audiovisual. Com isso renovamos uma oficina que é dada pelo GEM desde 2013 e que a partir das discussões dos conceitos de memória, identidade, território, possamos criar filimutos que transmitam, a partir da expressividade - essa dada pelo posicionamento de câmera e edições - o ponto de vista, a chave de leitura que o leitor (no caso o aluno) escolheu trabalhar. 

  Para isso é necessário que se tenha um trabalho em relação ao tipo de leitura que os participantes fazem ao ler um livro. A ideia é que a leitura romantizada diminua e que eles consigam esmiuçar cada vez mais, através dos questionamentos que são dados, o texto que está na sua frente, ter em mente que um texto é muito mais do que aquilo que está escrito, e que eles possam cada vez mais ter autonomia para continuar fazendo em suas futuras leituras.

  O processo se dá primeiramente com a leitura do livro. Caso não dê tempo (como foi que aconteceu quando levamos a oficina para Paraty), serão selecionadas algumas cidades, mas jamais de forma aleatória, e assim as apresentamos aos alunos dando um contexto geral sobre o que se trata a obra. Após a leitura, começa os questionamentos como “que tipo de narrador”, “quais cidades achou interessante”, “ao que essa cidade te remete”, e etc. Esses questionamentos são importantes para logo em seguida fazer conexão ao espaço que se tem disponível para as filmagens. Depois, começa a passar as técnicas e como elas vãos nos ajudar a dar expressividade utilizando os 3 tipos de planos de base utilizados no cinema (geral, médio e detalhe) e ademais a escolha do lugar que será filmado, começar  a trabalhar a narração da cidade escolhida com a voz do próprio aluno que dará forma a como essa cidade foi lida por ele. A parte final é a montagem onde as edições são realizadas ocorrendo o refinamento de todo o processo para que o resultado final seja não somente o filminuto, mas o acumulo de saberes que se teve durante toda a oficina. A ideia é que os filimutos possam ser exibidos para a comunidade.

  Verifica-se que a oficina, que possui bagagem, tende a conseguir cumprir a meta que se tem na extensão que seria a pesquisa de métodos para suprir as necessidades que determinado grupo da sociedade demanda. Ela ajuda aos alunos a terem contato com leituras consideradas como “cânones da literatura”, mas de uma forma que torna a leitura muito mais rica e mais instigante.

21 visualizações

ENDEREÇO:

Espaço Cultural João Cabral de Melo Neto

Faculdade de Letras da UFRJ
Av. Horácio de Macedo, 2151
Cidade Universitária - CEP 21941-917
Rio de Janeiro - RJ

CONTATO: 

gem@letras.ufrj.br

  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram