• Grupo de Educação Multimídia

Cinema Cordial

Atualizado: Jul 13



O projeto Literatura e Cinema articula o estudo das duas linguagens para possibilitar o acesso e o aprofundamento das ferramentas técnicas e críticas próprias de cada uma. Por outro lado, aproveita a popularidade da imagem entre as novas gerações para estimular a leitura. Como frente de ação, o projeto se propôs construir uma mostra de cinema que fosse na sua própria forma um estímulo para um olhar desviante que questiona certas estabilidades e manifestações violentas no contexto brasileiro. Através da coordenação entre ensino, pesquisa e extensão, o GEM elaborou a construção dessa mostra para promover o debate sobre violência estrutural, captando e aproximando as visões de alunos da universidade e de escolas públicas do ciclo básico, cada qual com sua subjetividade. A violência dos relatos que constituem o romance “Eles eram muitos cavalos”, que é a base literária da ação, é a protagonista e a essência desse projeto. Pautando-se na estrutura pesada e fracionada da obra, a escolha dos filmes que compõem o acervo da mostra ilustram a presença, nem sempre explícita, da violência nas relações sociais contemporâneas. Assim como no romance, a aproximação dos filmes com a realidade provoca um desconforto moral no telespectador, evocando a reflexão e o questionamento sobre a questão tematizada. Tanto o romance quanto a curadoria de filmes demonstra que as cenas mais comuns no dia a dia, capturadas de maneira singular através das lentes e do imaginário de um ou mais indivíduos carrega em si toda a estrutura colonial de mando, dependência, desfaçatez e violência naturalizada e velada, aspecros estudados o processo de construção da mostra. O romance traz diferentes visões, fragmentos de fala e de situações vivenciadas em um dia em uma grande cidade como São Paulo. A relação proposta entre literatura, cinema, crítica e ensino visa estimular um olhar crítico de todos os envolvidos sobre o atual estágio de violação e ataque social e institucional contra os direitos humanos. A construção da mostra realiza uma produção de sentido sobre o mundo atual e desenvolve metodologia para abordá-lo através do cinema e da literatura.


Vinheta Mostra Cinema Cordial


Cartão vermelho (Laís Bodanski, 12’, 1992) traz a tona as questões de gênero e as relações de poder pautados em estruturas machistas.






Vida Maria (Marcio Ramos, 9’, 2007) ilustra a natureza cíclica da condição de troca precoce dos estudos pelo trabalho em regiões carentes, com foco especial na condição feminina.




A peste de Janice (Rafael Figueiredo, 15’, 2007) aborda a discriminação de classe naturalizada em brincadeiras quando a filha da zeladora ganha uma bolsa de estudos em uma escola da elite.





Hiato (Vladimir Seixas, 20’, 2008) apresenta um ato inusitado que expõe o muro social que separa as classes quando um grupo do Movimento sem-teto do Rio de Janeiro resolve visitar um shopping da área nobre da cidade.




Preto no branco (Valter Rege, 15’, 2017) coloca o racismo estrutural em debate a partir da descrição de uma ficção que narra uma acusação equivocada carregada de preconceito contra um rapaz negro.




El error de madre Teresa (GÊNIONEWTON AUDIOVISUAL™, 3’, 2018) ilustra como os indivíduos se posicionam de forma alheia a todo o caos presente a seu redor.

50 visualizações

ENDEREÇO:

Espaço Cultural João Cabral de Melo Neto

Faculdade de Letras da UFRJ
Av. Horácio de Macedo, 2151
Cidade Universitária - CEP 21941-917
Rio de Janeiro - RJ

CONTATO: 

gem@letras.ufrj.br

  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram